A assustadora doença do pombo, veja agora!!

Conheças agora a doença do pombo, que já fez duas vítimas em santos. Entenda, como essa doença é perigosa e pode ser confundida com uma simples gripe.

Você provavelmente deve ter escutado por aí que os pombos são na realidade ratos com asas, pois são tão ‘’sujos’’ quanto eles. Em suma, essa é teoricamente uma verdade e por esse motivo é muito importante estar atento a todas as medidas de proteção cabíveis para evitar contrair essa doença tão perigosa.

É muito comum andarmos por aí e ver uma imensidade dessas aves em todos os locais, seja em praças, casas, rodoviárias e por aí vai. Elas estão literalmente por todas as partes e por isso sempre é bom manter uma certa distância de locais desse tipo.

Doença do pombo?

É uma doença não contagiosa de pessoas para pessoas, mas sim contraída quando se entra em contato com as fezes do animal.

Em suma, quando as fezes dos pombos secam, se transformam em uma poeira bem fina e que se espalha em todo o ar.

Ao inalar essa poeira, e ela estiver contaminada, a pessoa levará essa contaminação até o pulmão e em seguida ela subirá até o cérebro, isso porque essa poeira possui uma espécie de fungo que se desenvolve bem rápido no corpo humano.

Dessa forma a pessoa começará a ter alguns sintomas semelhantes a uma gripe, como por exemplo:

Sintomas da doença do pombo

  • Dores de cabeça
  • Dor no corpo
  • Náuseas
  • Vômitos
  • Cansaço
  • Febre
  • Falta de ar
  • Dor no peito
  • Vista embaçada
  • Suor noturno

O nome ‘’doença do pombo’’ é o que se tornou popular para as pessoas, porém seu nome original é Criptococose e ela pode ser contraída através da inalação da poeira seca das fezes da ave.

Depois de apresentar os sintomas, quanto mais passa o tempo sem a orientação médica, as dores de cabeça começam a não ser resolvidas com analgésicos, passando de uma simples dor, para uma insuportável.

Levando a pessoa a ser até mesmo internada.

Em um segundo estágio a doença pode ser confundida com uma infecção cerebral.

E, de fato a doença pode abrir espaço para uma futura meningite. Além de ser encontrado nas fezes do animal, os fungos também podem ser encontrados em algumas arvores, como eucalipto e jambolão.

Em geral, quando os pacientes chegam ao hospital, costumam estar com a doença já algum tempo.

Sendo de três semanas a três meses, ou seja, em alguns casos o paciente pode chegar ao hospital com a doença já bem desenvolvida, complicando cada vez mais o quadro, e a recuperação da pessoa infectada.

A doença ataca com mais facilidade as pessoas que estão com a imunidade baixa. O tratamento pode ser feito com antifúngicos aplicados na veia ou por via oral, logo que se inicia o tratamento.

Como evitar a contaminação?

Como dito anteriormente, a doença não é transmitida de pessoa para pessoa, sendo necessário inalar o pó das fezes secas da ave.

Portanto, é muito importante estar utilizando mascarás ao limpar lugares onde as aves tendem a frequentar.

Também sendo necessário o uso de antifúngicos e higiene frequente no local, para que dessa forma seja possível não ter riscos de ser contaminado.

Muitas cidades já implantaram a lei da proibição de alimentar os pombos em lugares públicos, para que dessa forma eles não se proliferem nesses locais e as doenças não se tornem uma epidemia e acabe saindo do controle das autoridades de saneamento público. 

Na cidade de São Paulo, se uma pessoa for pega alimentando os pombos a mesma pode ser sujeita a uma advertência e a uma multa no valor de R$ 200.

Portanto, pela segurança das pessoas é importante manter esses animais bem longe para que não haja ninguém contaminado.